29.5.13

i really see you upside down

Ela falava e ele não ouvia. Pensava naqueles todos: gato, cachorro, papagaio e periquito. Absurdo era a vontade dela de ir para a casa com ele. E todas as músicas que ela escrevia para ele em segredo, e o seriado que ela teimava em assistir só porque o cara tinha os trejeitos dele. Absurdo. Ela queria saber como lidar. Mensagens apagadas, a foto dele sorrindo não mais constava na lista telefônica dela, milhares de imagens e músicas evitadas. Shows que viraram fumaça, junto com aquelas que ela soltava de madrugada, quando o sol ameaçava apontar. Ele olhava para o outro lado, sentado naquele banco cinza, e desejava estar em outro lugar. Não ali, com ela. Sozinho, que fosse, mas não ali. Enjoava fácil. Ela era alta demais, loira demais, falava demais, se aproximava demais. Tanto, que causava medo. 
E se. Ele não podia arriscar. 

2  +:

Flá Costa*' disse...

que delícia de texto. que delícia o jeito como você escreve. me identifiquei tanto com cada uma das primeiras frases...

beijoca

Camila Faria disse...

Amei amei amei Aline! ♥

Postar um comentário