1.3.13

quando a gente se cala

Pesadelos, desânimo, mau humor, dor de cabeça, cansaço. Minha vida fantasiada de inferno. 

Você deve ter notado a minha ausência esses dias, ou assim espero. A falta de contato e diálogo. Não a falta de amor. Nunca. Foi apenas uma nova tentativa de resguardar o que é bom. De manter intacto. Eu não liguei, não mandei mensagem, não apareci na sua casa sem querer às sete da manhã. Não deixei na portaria do seu prédio o salgadinho que você gosta, não te comprei uma rosa de surpresa e nem quis mais te mostrar a exposição de brinquedos antigos que eu vi no shopping essa semana.

Eu quis espaço. Eu quis que você sentisse a minha falta. Eu quis mais calor. Eu não desejei boa noite, porque eu quis que você fizesse isso. 

E mesmo assim, você ainda não fez. 

3  +:

Flá Costa * disse...

minha querida, e o pior é isso. quando a gente move o mundo pra que os outros sintam a ausência. e não recebemos falta alguma além daquele que vai no nosso próprio peito.

beijoca

Marcel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nina disse...

Mas entenda: não temos que nos sacrificar ou viver pelo outro. Amor não é possessão e consiste em desapego também. Ainda não aprendemos a sermos livres, mas precisamos. E o quanto antes. Antes que seja tarde e nos machuquemos sem necessidade.
Abraços.

Postar um comentário