16.10.12

nada por mim

Não sei o que foi que viu em mim, mas não era eu. Não sei se foram as palavras certas que usei na ocasião, os sorrisos tortos que cedi despretensiosamente ou a vermelhidão em nossas bochechas. Não sei o que foi, mas não fui eu, não poderia ser. Não sei se foram os livros, a boa música ou as luzes da Paulista. Não sei se sou boa ouvinte, se seria boa mãe ou se te lembro sua irmã. Foi ingênuo e eu não sei o que foi. Talvez você só precisasse de alguém, talvez o clima fosse propenso, talvez o momento fosse o certo e eu estivesse ali. Mas nunca foi por minha causa. Você nunca se apaixonou por mim. Você gostou daquela metade, daquele dia, você gostou de gostar de uma pessoa. E poderia ser qualquer outra que ouvisse sua banda, que lesse o que você escreve e que te apreciasse como eu fiz. Mas ainda não era eu. E como poderia ser? Não por mim.

4  +:

Flá Costa * disse...

ai aline que triste isso. infelizmente é assim que as coisas acontecem as pessoas procuram relacionamentos não por amor, mas por medo da solidão.

beijoca

tenhoumaloucadentrodemim disse...

Lyndo! :)

Nina disse...

A maioria se apaixona por um ideal. Não escapamos de ser o fruto dessa escolha. E nos arrependemos de ter cedido, enfim.
Abraços.

Marcel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário